Oferta de Natal

Senhor!
Enquanto as melodias do Natal nos enternecem, recordamos também, ante o céu
iluminado, a estrela divina que te assinalou o berço na palha singela!…
De novo, alcançam-nos os ouvidos as vozes angélicas:
– Glória a Deus nas Alturas, paz na Terra, boa vontade para com os homens!…
E lembramo-nos do tópico inesquecível da narrativa de Lucas (Evangelho de Lucas
2:8-11):
“Havia na região da manjedoura pastores que viviam nos campos e velavam
pelos rebanhos durante a noite; e um anjo do Senhor desceu onde eles se achavam e
a glória do Senhor brilhou ao redor deles, pelo que se fizeram tomados de assombro…
O anjo, porém, lhes disse: não temais! Eis que vos trago boas novas de grande
alegria, que serão para todo o povo… É que hoje vos nasceu, na cidade de David, o
Salvador, que é o Cristo, o Senhor”.
*
Desde o momento em que os pastores maravilhados se movimentaram para ver
te, na hora da alva, começaste, por misericórdia tua, a receber os testemunhos de
afeição dos filhos da Terra.
Todavia, muito antes que te homenageassem com o ouro, o incenso e a mirra,
expressando a admiração e a reverência do mundo, o teu cetro invisível se dignou
acolher, em primeiro lugar, as pequeninas dádivas dos últimos!
Só tu sabes, Senhor, os nome daqueles que algo te ofertaram, em nome do
amor puro, nos instantes da estrebaria:
A primeira frase de bênção…
A luz da candeia que principiou a brilhar quando se apagaram as irradiações do
firmamento…
Os panos que te livraram do frio…
A manta humilde que te garantiu o leito improvisado…
Os primeiros braços que te enlaçaram ao colo para que José e Maria
repousassem…
A primeira tigela de leite…
O socorro aos pais cansados…
Os utensílios de empréstimo para que te não faltasse assistência…
A bondade que manteve a ordem, ao redor a manjedoura, preservando-a de
possíveis assaltos…
O feno para o animal que devia transportar-te…
*
Hoje, Senhor, que quase vinte séculos transcorreram, sobre o teu nascimento,
nós, os pequeninos obreiros desencarnados, com a honra de cooperar em teu
Evangelho Redivivo, pedimos vênia para algo te ofertar… Nada possuindo de nós,
trazemos-te as páginas simples que Tu mesmo nos inspiraste, os pensamentos de
gratidão e de amor que nos saíram do coração, em forma de letras, em louvor de tua
infinita bondade!
Recebe-os, ó Divino Benfeitor! Com a benevolência com que acolheste as
primeiras palavras e respeito e os primeiros gestos de carinho com que as criaturas
rudes e anônimas te afagaram na gloriosa descida à Terra!… E que nós – espíritos
milenares fatigados do erro, mas renovados na esperança – possamos rever-te a
figura sublime, nos recessos do coração, e repetir, como o velho Simeão, após
acariciar-te na longa vigília do Templo:
– “Agora, Senhor, despede em paz os teus servos, segundo a tua palavra, porque
os nossos olhos viram a salvação!…”.

Livro: ANTOLOGIA MEDIÚNICA DO NATAL – Psicografia: Francisco
Cândido Xavier pelo espírito de Emmanuel – Uberaba, 25 de dezembro de 1966.